Semeando a cultura de Pentecostes !



“O século carismático”

“The Charismatic Century”

.

“Mas cumpre-se o que foi dito pelo profeta Joel: Acontecerá nos últimos dias – é Deus quem fala -, que derramarei do meu Espírito sobre todo ser vivo: Sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei naqueles dias do meu Espírito,[…]”

“Chegando o dia de Pentecostes,De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Ficaram todos cheios do Espírito Santo...[…]” (Atos 2) estavam todos reunidos no mesmo lugar.

.

Vitral_Espírito_Santo_Jaraguá

XXVIII Congresso Nacional da RCC

Vamos partilhar neste momento sobre os frutos que a graça de Pentecostes tem gerado na Renovação Carismática Católica (RCC) em todo o Brasil. O Espírito Santo, ao vir sobre nós, gera o desejo de assumirmos a nossa missão.


O Papa João Paulo II, ao se dirigir à RCC, afirmou: “A única cultura que é capaz de transformar a nossa sociedade é a cultura de Pentecostes”. Nós desse movimento eclesial temos uma tarefa específica, uma missão e Dom Alberto dizia que Deus espera que a RCC apenas seja “renovação”. E ser renovação é ser sinal, rosto e memória de Pentecostes.

A RCC tem se colocado à escuta do Espírito e procurado ser fiel. Estamos colocando em marcha aquilo que o Espírito tem dito para ela [RCC] nestes tempos.

Houve momentos em que a Igreja não estava tão desperta para o Espírito Santo, por diversas razões. No último século Deus começou a agir em nosso meio, de modo especial por intermédio de Elena Guerra.
O Papa Bento XVI falou, agora em maio, sobre as relíquias católicas, e Dom Alberto nos explicou que quando temos uma relíquia do corpo de um santo é como ter a presença da própria pessoa. E para nossa alegria, queremos trazer aqui a relíquia da Beata Elena Guerra, que foi chamada de “A apóstola do Espírito Santo”.

A RCC, através do seu Conselho Nacional, tem se colocado à escuta do Espírito, e foi inspirada por Deus para fazer um projeto para difundir a cultura de Pentecostes. Um dos meios é o projeto chamado “Semeando a cultura de Pentecostes em sua diocese”.

Elena Guerra era freira, de origem italiana da cidade de Lucca. Nasceu em 1835, no século XIX e morreu em 1914, início do século XX. Mas, qual a importância dela? Há uma devoção que tem resgatado a história do que Deus está fazendo no mundo, a qual começou com ela.Deus sempre falou através de muitos místicos a respeito do Espírito Santo e Ele se serviu de Elena Guerra para dialogar com o Magistério da Igreja. No final do século XIX, o próprio Jesus começou a falar com essa grande mulher de Deus em moções interiores, dizendo a ela que era preciso fazer algo para que voltassem a estar atentos à Pessoa do Espírito Santo na Igreja. Ela relutou por anos, pois é muito complicado dizer que “Jesus está falando comigo”. O Senhor, então, falou a uma empregada doméstica para que esta dissesse a Elena Guerra que era Ele mesmo quem falava com ela. Depois disso, Elena conta o fato a seu confessor, que o narra ao bispo, o qual analisa os escritos e vê a veracidade. Leão XIII tomou ciência do ocorrido e se interessou por ele escrevendo um “Breve”, no qual recomenda a novena de Pentecostes. Porém, nada disso aconteceu e Elena volta a escrever ao Papa Leão XIII.

Ironi Spuldaro, Lázaro Praxedes e Reinaldo Beserra

:: Fotos no Flickr …………..Foto: Robson Siqueira


O Santo Padre, então, no dia 9 de maio de 1897, promulga a 1ª Encíclica sobre o Espírito Santo. Na ocasião, o Pontífice fala sobre a missão do Espírito. Ele decreta que a partir daquela data se celebre em todas a Igreja a novena do Espírito Santo em preparação à Festa de Pentecostes. Entre 31 de dezembro e 1º janeiro de 1900, invoca o ‘Veni Creator’, consagra o século XX à Terceira Pessoa da Santíssima Trindade e reza a “Ladainha do Espírito”, que ele escreveu, por causa de Elena Guerra. E nós começamos o século XX, dessa forma, com muitas transformações.

O Papa João XXIII, em abril de 1959, fez a sua primeira beatificação, que foi a de Elena Guerra. A beata escreveu mais de 50 livros sobre o Espírito Santo Paráclito. Há 50 anos dizia o Sumo Pontífice João XXIII: “Depois de tantos anos da partida da madre Helena Guerra, sua mensagem permanece atual. Todos percebemos, de fato, a necessidade de uma contínua efusão do Espírito, assim como uma experiência de um novo Pentecostes”.

Essa consciência de um novo Pentecostes cresce ao caminhar do século. Em 2006, o Pentecostalismo protestante celebrou o centenário deles. Mas, há um fato interessante que gerava controvérsia entre eles: Naquele dia em que o Santo Padre consagrou o século XX ao Espírito Santo, no mesmo dia em Topeka, no Arkansas (EUA), na Igreja metodista, uma mulher pediu ao pastor que rezasse para que ela vivesse a mesma experiência de Pentecostes, descrito em Atos dos Apóstolos II. E ali houve a manifestação da oração em línguas.

Em 2006, em Los Angeles, os protestantes fizeram um evento para comemorar esse centenário. A Igreja Católica foi convidada para a comemoração e alguns membros do Conselho da RCC foram lá. Éramos umas 20 pessoas no meio de 30 mil protestantes. Jack Hayford, um pastor muito conhecido, comandava as manhãs desse encontro. E ele lançou um livro chamado “O século carismático”.

Na hora, peguei o livro e qual foi a minha surpresa? A obra começa falando do hino de invocação ao Espírito Santo escrito pelo Papa Leão XIII e da consagração que ele fez do século ao Espírito Santo. O livro também fala de Elena Guerra e da novena ao Espírito Santo, esclarecendo inclusive o que é uma novena. E explica a nossa história.

O século carismático começou de verdade, naquela noite, com Leão XIII invocando o Espírito Santo sobre o século XX.

Transcrição e adaptação: Nara Bessa

Fonte: Blog Canção Nova.

Palestra no:

XXVIII Congresso Nacional da RCC


.

XXVIII Congresso Nacional da RCC
diminui.gif aumenta.gif

Semear a cultura de Pentecostes

Reinaldo Beserra
Foto: Robson Siqueira

Vamos partilhar neste momento sobre os frutos que a graça de Pentecostes tem gerado na Renovação Carismática Católica (RCC) em todo o Brasil. O Espírito Santo, ao vir sobre nós, gera o desejo de assumirmos a nossa missão.

O Papa João Paulo II, ao se dirigir à RCC, afirmou: “A única cultura que é capaz de transformar a nossa sociedade é a cultura de Pentecostes”. Nós desse movimento eclesial temos uma tarefa específica, uma missão e Dom Alberto dizia que Deus espera que a RCC apenas seja “renovação”. E ser renovação é ser sinal, rosto e memória de Pentecostes.

O que eu estou fazendo para ser esse sinal de Pentecostes?

A RCC tem se colocado à escuta do Espírito e procurado ser fiel. Estamos colocando em marcha aquilo que o Espírito tem dito para ela [RCC] nestes tempos.

Houve momentos em que a Igreja não estava tão desperta para o Espírito Santo, por diversas razões. No último século Deus começou a agir em nosso meio, de modo especial por intermédio de Elena Guerra.

O Papa Bento XVI falou, agora em maio, sobre as relíquias católicas, e Dom Alberto nos explicou que quando temos uma relíquia do corpo de um santo é como ter a presença da própria pessoa. E para nossa alegria, queremos trazer aqui a relíquia da Beata Elena Guerra, que foi chamada de “A apóstola do Espírito Santo”.

A RCC, através do seu Conselho Nacional, tem se colocado à escuta do Espírito, e foi inspirada por Deus para fazer um projeto para difundir a cultura de Pentecostes. Um dos meios é o projeto chamado “Semeando a cultura de Pentecostes em sua diocese”.

Elena Guerra era freira, de origem italiana da cidade de Lucca. Nasceu em 1835, no século XIX e morreu em 1914, início do século XX. Mas, qual a importância dela? Há uma devoção que tem resgatado a história do que Deus está fazendo no mundo, a qual começou com ela.


Deus sempre falou através de muitos místicos a respeito do Espírito Santo e Ele se serviu de Elena Guerra para dialogar com o Magistério da Igreja. No final do século XIX, o próprio Jesus começou a falar com essa grande mulher de Deus em moções interiores, dizendo a ela que era preciso fazer algo para que voltassem a estar atentos à Pessoa do Espírito Santo na Igreja. Ela relutou por anos, pois é muito complicado dizer que “Jesus está falando comigo”. O Senhor, então, falou a uma empregada doméstica para que esta dissesse a Elena Guerra que era Ele mesmo quem falava com ela. Depois disso, Elena conta o fato a seu confessor, que o narra ao bispo, o qual analisa os escritos e vê a veracidade. Leão XIII tomou ciência do ocorrido e se interessou por ele escrevendo um “Breve”, no qual recomenda a novena de Pentecostes. Porém, nada disso aconteceu e Elena volta a escrever ao Papa Leão XIII.

Ironi Spuldaro, Lázaro Praxedes e Reinaldo Beserra
Foto: Robson Siqueira

O Santo Padre, então, no dia 9 de maio de 1897, promulga a 1ª Encíclica sobre o Espírito Santo. Na ocasião, o Pontífice fala sobre a missão do Espírito. Ele decreta que a partir daquela data se celebre em todas a Igreja a novena do Espírito Santo em preparação à Festa de Pentecostes. Entre 31 de dezembro e 1º janeiro de 1900, invoca o ‘Veni Creator’, consagra o século XX à Terceira Pessoa da Santíssima Trindade e reza a “Ladainha do Espírito”, que ele escreveu, por causa de Elena Guerra. E nós começamos o século XX, dessa forma, com muitas transformações.

O Papa João XXIII, em abril de 1959, fez a sua primeira beatificação, que foi a de Elena Guerra. A beata escreveu mais de 50 livros sobre o Espírito Santo Paráclito. Há 50 anos dizia o Sumo Pontífice João XXIII: “Depois de tantos anos da partida da madre Helena Guerra, sua mensagem permanece atual. Todos percebemos, de fato, a necessidade de uma contínua efusão do Espírito, assim como uma experiência de um novo Pentecostes”.

Essa consciência de um novo Pentecostes cresce ao caminhar do século. Em 2006, o Pentecostalismo protestante celebrou o centenário deles. Mas, há um fato interessante que gerava controvérsia entre eles: Naquele dia em que o Santo Padre consagrou o século XX ao Espírito Santo, no mesmo dia em Topeka, no Arkansas (EUA), na Igreja metodista, uma mulher pediu ao pastor que rezasse para que ela vivesse a mesma experiência de Pentecostes, descrito em Atos dos Apóstolos II. E ali houve a manifestação da oração em línguas.

Em 2006, em Los Angeles, os protestantes fizeram um evento para comemorar esse centenário. A Igreja Católica foi convidada para a comemoração e alguns membros do Conselho da RCC foram lá. Éramos umas 20 pessoas no meio de 30 mil protestantes. Jack Hayford, um pastor muito conhecido, comandava as manhãs desse encontro. E ele lançou um livro chamado “O século carismático”. Na hora, peguei o livro e qual foi a minha surpresa? A obra começa falando do hino de invocação ao Espírito Santo escrito pelo Papa Leão XIII e da consagração que ele fez do século ao Espírito Santo. O livro também fala de Elena Guerra e da novena ao Espírito Santo, esclarecendo inclusive o que é uma novena. E explica a nossa história.

O século carismático começou de verdade, naquela noite, com Leão XIII invocando o Espírito Santo sobre o século XX.

Transcrição e adaptação: Nara Bessa

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: